sábado, 30 de maio de 2009

INAUGURAÇÃO REALIZADA!

SUCESSO...
É esse, no mínimo, o resultado de nossa ação durante a última Bicicletada em Brasília.
Satisfação, é o sentimento mínimo de todas as pessoas que se envolveram para que a inauguração da nossa Praça das Bicicletas fosse realizada. E ontem, sexta-feira, 29/05/2009, deu-se a mais emocionante Bicicletada que Brasília já viu. O dia foi corrido, o pessoal todo envolvido com os últimos preparativos, corre aqui, corre ali, compra vela, busca pano, faz a placa, imprime lista de homenagem, separa as tintas, pincéis... e assim o dia passou rapidamente.

18:00
E o povo começa a chegar na Praça das Bicicletas. Este que vos escreve chegou um pouco mais tarde, quando a Praça já estava praticamente tomada pelos bicicleteiros, gente da imprensa e curiosos em geral. Todos já estavam completamente eufóricos com a festa e já não viam a hora de oficializar a inaguração e sair para pedalar. Foram momentos de pura satisfação e integração pessoal, momento esse muito importante pois as pessoas se apresentaram e os que nunca haviam participado das Bicicletada tiveram a oportunidade de ouvir e saber de onde viemos, o que pretendemos e pra onde estamos indo. Muita conversa, muito esclarecimento sobre a Bicicletada, debate sobre os nossos direitos e o porquê de se apossar daquele espaço e torná-lo definitavamente nosso! Uma faixa foi escrita na hora, com o nome de alguns ciclistas que morreram no trânsito caótico de Brasília, foi uma merecida homenagem, com a citação em voz alta de cada um dos nomes e um minuto de silêncio em respeito aos nossos involuntários heróis.
O tempo foi passando e o êxtase tomava conta de todos, era como se estivéssemos numa final de copa do mundo e é claro que o gol da vitória seria de bicicleta!!!!

Foi então que chegou o ingrediente que faltava: Um paraciclo de ferro, feito especialmente para a ocasião. Movimentação geral e enfim, o tão esperado momento: a colocação da placa! O poste imenso, tanto na altura quanto no diâmetro nos trouxe alguma preocupação logo de início, afinal de contas, sem nenhuma escada, quem conseguiria escalar e fixar a placa numa altura visível e segura? A conversa foi rápida e a solução imediata. Uma grande pirâmide humana se ergeu da base do poste até a altura desejada para a fixação da placa da Praça das Bicicletas.

Os bicicleteiros embaixo faziam festa, era realmente a coroação de toda a luta que travamos no dia-a-dia contra o apocalipse motorizado!!!! Placa fixada, gritos e festa da Bicicletada!Uma enorme ciranda de bicicletas se formou, pedalando num giro alucinado em volta do nosso novo monumento federal.

A Praça das Bicicletas está, enfim, oficialmente inaugurada!!!!!

Homenagens prestadas, inauguração realizada, tudo pronto para mais uma Bicicletada sair às ruas e fazer mais uma festa da propulsão humana. Desta vez, foi a melhor e maior Bicicletada que Brasília já viu até hoje. Os quase 100 bicicleteiros tomaram posse das ruas de Brasília, pedalando tranquilamente pelas vias, cantando, gritando e festejando!

Num pedal leve, de aproximadamente 15 km, a Bicicletada DF passou pelas principais ruas do "centro" e como sempre, fomos recebidos com gritos de incentivo, aplausos e buzinadas de todas as pessoas que por nós passavam.Nas quadras comerciais, as pessoas nos bares levantavam e nos aplaudiam, os funcionários saíam nas janelas e nas portas dos comércios e nos incentivavam.
Descemos pelas 400s até chegar na L2 Sul, uma das avenidas de maior trânsito e importância em Brasília.

Tomamos a rua completamente, nenhum carro ousava nos ameaçar, apesar de alguns motoristas mais estressados, seguimos em nossa pedalada até a próxima comercial.Subimos eufóricos pela 405 Sul, sempre ocupando a pista inteira, depois na 206, nos apossamos da tesourinha, em seguida a 106 e voltamos pela W1, até alcançarmos as 300s que nos daria acesso a outra via de extrema importância: A W3 Sul.

Em mais uma decisão rápida e unânime, optamos por novamente ocupar completamente a via, seguimos assim por pelo menos 500 metros e então a Bicicletada liberou a faixa da direita para a circulação dos coletivos e logo em seguida para os motorizados particulares, que passavam em velocidade extremamente baixa e olhavam atônitos a invasão das bicicletas.

E foi assim, em ritmo de festa e realização, que a Bicicletada DF de Maio, foi, a cada metro, a cada quadra, pedalando, ocupando e resistindo, rumo ao Eixo Monumental, até chegar à Torre de TV, concluindo mais uma intrépida pedalada!

E que assim seja, a cada mês uma vitória, a cada Bicicletada uma conquista. Em janeiro (por causa do FSM) éramos apenas 5, em fevereiro uns 20 e ontem quase 100. Com muita tranquilidade e conscientização, logo chegaremos aos 1000 bicicleteiros em uma só Bicicletada, e até lá, a cada mês vamos ocupando e nos apropriando mais e mais deste grande cemitério de concreto que é a nossa Capital Federal.

E hoje, sábado, logo pela manhã, não me contive e pedalei solitário até a Praça das Bicicletas, um pedal tranquilo, de esperança e uma certa ansiedade, mas ao chegar no local, a alegria novamente tomou conta de mim: A placa continua lá, intacta, assim como o paraciclo, ostentando a nossa conquista para todos que passam!

E nos 7 km de volta, uma satisfação incomensurável se apossou de mim:

Sim, a Bicicletada DF a cada mês atinge seus objetivos e a massa só aumenta. Sim, a praça está inaugurada e resiste! Sim, sabemos que somos capazes de muito mais, de mais sonhos e mais conquistas! E ninguém vai ser capaz de nos parar!!!!

sexta-feira, 29 de maio de 2009

É Hoje!

Hoje tem Bicicletada!

Hoje será dia especial pra quem anda de bicicleta em Brasília. Pra quem sente, como o vento na cara, todas as dificuldades e a desgraça que é viver numa cidade organizada para as máquinas automotivas. Uma cidade fria, cidade-cemitério. As pessoas que pensam mandar nessa cidade, se esforçam pra transformar brasília numa cidade asceta. "Rua não é lugar pra conversar". Casa-trabalho, trabalho-casa, dentro de uma caixa hermeticamente fechada para evitar o máximo de contato com o mundo. Mas ainda há quem ouse resistir.

Hoje é uma sexta-feira, a última do mês. E nas últimas sextas, pessoas das mais diferentes se encontram pra pedalar, festejar na rua, reivindicar o espaço, questionar as organizações das cidades, pensar outras formas de se locomover, trocar sorrisos, ideias e retomar um pouco suas vidas. É o que chamamos de Bicicletada, ou Massa Crítica. Hoje, nesse sentido, não vai ser diferente. Mas será um pouco mais especial. Nesse dia o cimento duro do museu nacional, se transforma oficialmente (mas não burocraticamente) nas Praça das Bicicletas.

As praças em Brasília são lugares vazios que boa parte das vezes se prestam a homenagear a opulência do poder. Nos apropriemos disso e transformermos a Praça das Bicicletas num lugar de encontros. Quem aí não está cansadx de diversão privada? De cercas, de muros, de faltas de calçadas. Que saco, as ruas tem que ser de todo mundo.

Então apareça por lá. Como puder. Bicicleta, patinete, skate, patins, a pé. Leve música, tinta, apito, gritos. Faça barulho, faça arte. Além de instalar a Placa da Praça, a Bicicletada também vai prestar uma homenagem aos ciclistas assassinados pelo trânsito em Brasília, e fazer uma festa na rua. De graça, sem dono e sem chefe. Depois da festa, a gente sai todo mundo que tiver lá para uma volta pelas ruas. Nos vemos lá?

Só pra resumir:
Bicicletada!
Hoje, dia 29/05, sexta feira.
18h festa na rua, 20h rolê pelas ruas.
Praça das Bicicletas.
Cimento do Museu Nacional

terça-feira, 26 de maio de 2009

INAUGURAÇÃO DA PRAÇA DAS BICICLETAS!


Com o objetivo de incentivar o uso da bicicleta no dia-a-dia, evidenciar o descaso dos governos e a falta de segurança e estrutura para os usuários da bicicleta, além de conscientizar motoristas, pedestres e ciclistas sobre o uso correto e os benefícios que a magrela nos traz, a Bicicletada ocorre simultaneamente em diversas cidades do Brasil e do mundo.

Em Brasília, nos reunimos sempre na ultima sexta feira do mês, a partir das 18:00, na Praça das Bicicletas, no cimentão do Museu Nacional, ao lado da Catedral.

ESSE MÊS, ALÉM DA SUA PEDALADA MENSAL, A BICICLETADA DF VAI FAZER A INAUGURAÇÃO "OFICIAL" DA PRAÇA DAS BICICLETAS!!!!

A inauguração da Praça das Bicicletas, representa para os usuários de bicicleta de toda a região a conquista do espaço publico, espaço esse que o próprio GDF se omite em nos oferecer e por isso mesmo é que a Bicicletada DF está tomando posse e legitimando o nosso tão merecido canto!

O evento conta com a apresentação de artistas de rua, muita música e muita festa.
Venham e tragam apitos, fogos, pandeiros e todo o barulho que puder! Venham de bike, de patins, patinete ou skate. Contamos com a sua presença em mais essa festa da propulsão humana contra o apocalipse motorizado!!!

BICICLETADA DF CONVIDA:
INAUGURAÇÃO DA PRAÇA DAS BICICLETAS!
29/05/2009 (sexta-feira)
A partir das 18:00
PRAÇA DAS BICICLETAS (cimentão do Museu Nacional, ao lado da Catedral, na esplanada dos ministérios!)

domingo, 24 de maio de 2009

Pedal do Silêncio e Cine-Pedal

No dia 20 de maio, a capital federal aderiu ao Pedal do Silêncio (www.rideofsilence.org) e homenageou as vítimas do trânsito intenso, cruel e injusto. O pessoal da Bicicletada, da Rodas da Paz e outros ciclistas inconformados com a guerra nas vias (1.500 ciclistas mortos/ano no Brasil) deram uma volta na Esplanada dos Ministérios.
Depois, houve o lançamento do Cine-Pedal, com o filme O Escocês Voador, no Cine Cabiria (413N).


Enxurrada de carros na W3 Sul, por volta das 19h. Eles congestionam, nós pedalamos!


Concentração para o Pedal do Silêncio

Pedaladas pela paz – I

Pedaladas pela paz – II

1 minuto de silêncio pelos mortos no trânsito


Cine-Pedal

video

sexta-feira, 22 de maio de 2009

mundo dos carros, mundo da uniformidade.












Laerte nos brinda com um pouco de genialidade em forma de tirinhas.

domingo, 17 de maio de 2009

BRASÍLIA ADERE AO PEDAL DO SILÊNCIO

Depois de RJ, SP, BH e ES, o DF também sai as ruas para homenagear seus ciclistas!


Todos os anos, cerca de 1500 ciclistas morrem nas ruas e rodovias brasileiras. São mais de 3 ciclistas por dia, vítimas de um trânsito hostil, violento, dominado pelos veículos automotivos, mesmo sendo a bicicleta o meio de transporte mais sustentável já inventado, portanto merecedor de respeito e consideração.
O movimento, que teve sua primeira edição na cidade americana de Dallas em 16/05/2003, em homenagem ao ciclista de endurance Larry Schwartz, morto em um acidente com um ônibus meses antes, prevê um passeio silencioso por alguns quilômetros na cidade, com os ciclistas trajando uma camiseta branca e uma faixa preta em algum dos braços. A história e o propósito do evento estão em: http://www.rideofsilence.org/
Essa será a 7ª edição do evento que acontece simultaneamente em diversas cidades do planeta. No Brasil, depois dos ciclistas de São Paulo e Belo Horizonte aderirem à causa, é a vez do Rio de Janeiro, Espírito Santo e Brasília e pela primeira vez realizaremos esse evento pacífico.

Acontecerá na próxima quarta-feira, o Pedal do Silêncio, um passeio ciclístico em homenagem a todas as pessoas mortas em acidentes de trânsito enquanto andavam de bicicleta.Realizado pela primeira vez na cidade de Dallas em 16 de maio de 2003, em homenagem ao ciclista Larry Schwartz, morto em um acidente com um ônibus, o evento, que chega à sua sétima edição, acontece, simultaneamente, em diversas cidades do mundo. Pedalando em velocidades de no máximo 20 km/h, os ciclistas usarão camisetas brancas com uma faixa preta amarrada em um dos braços, sem esquecer o capacete.

BRASÍLIA
Horário: 19:30 (Concentração a partir das 19:00)
Local: Praça das Bicicletas - No cimentão do Museu Nacional - ao lado da Catedral.
Mais info:

http://www.rideofsilence.org/
---
http://prologo.uol.com.br/scripts/materia/materia_det.asp?idMateria=2897&stCanal=Mundo%20Duas%20Rodas
---
http://adenosina.wordpress.com/2009/05/12/videos-%e2%80%93-pedal-do-silenciorj-2009/
---

quinta-feira, 14 de maio de 2009

Dia 29...

Dia 29 será um dia especial pra quem anda de bicicleta em Brasília. Pra quem sente, como o vento na cara, todas as dificuldades e a desgraça que é viver numa cidade organizada para as máquinas automotivas. Uma cidade fria, cidade-cemitério. As pessoas que pensam mandar nessa cidade, se esforçam pra transformar brasília numa cidade asceta. "Rua não é lugar pra conversar". Casa-trabalho, trabalho-casa, dentro de uma caixa hermeticamente fechada para evitar o máximo de contato com o mundo. Mas ainda há quem ouse resistir.

Dia 29 é uma sexta-feira, a última do mês. E nas últimas sextas, pessoas das mais diferentes se encontram pra pedalar, festejar na rua, reivindicar o espaço, questionar as organizações das cidades, pensar outras formas de se locomover, trocar sorrisos, ideias e retomar um pouco suas vidas. É o que chamamos de Bicicletada, ou Massa Crítica. Dia 29, nesse sentido, não vai ser diferente. Mas será um pouco mais especial. Nesse dia o cimento duro do museu nacional, se transforma oficialmente (mas não burocraticamente) nas Praça das Bicicletas.

As praças em Brasília são lugares vazios que boa parte das vezes se prestam a homenagear a opulência do poder. Nos apropriemos disso e transformermos a Praça das Bicicletas num lugar de encontros. Quem aí não está cansadx de diversão privada? De cercas, de muros, de faltas de calçadas. Que saco, as ruas tem que ser de todo mundo.

Então apareça por lá. Como puder. Bicicleta, patinete, skate, patins, a pé. Leve música, tinta, apito, gritos. Faça barulho, faça arte. Além de instalar a Placa da Praça, a Bicicletada também vai prestar uma homenagem aos ciclistas assassinados pelo trânsito em Brasília, e fazer uma festa na rua. De graça, sem dono e sem chefe. Depois da festa, a gente sai todo mundo que tiver lá para uma volta pelas ruas. Nos vemos lá?

Só pra resumir:
Bicicletada!
dia 29/05, sexta feira.
18h festa na rua, 20h rolê pelas ruas.
Praça das Bicicletas.
Cimento do Museu Nacional

quarta-feira, 13 de maio de 2009

Comunidade alemã decide ter uma vida sem automóveis e vira referência

The New York Times
Elisabeth Rosenthal
Em Vauban (Alemanha)

Os moradores desta comunidade afluente são pioneiros suburbanos. Eles superaram a maioria das mães que levam os filhos para jogar futebol ou executivos que fazem todos os dias o trajeto dos subúrbios até o centro da cidade: essas pessoas abriram mão dos seus carros.

Estacionamentos de rua, driveways (pequena estrada que vai geralmente da entrada da garagem até a rua) e garagens são, em geral, proibidas neste novo distrito experimental na periferia de Freiburg, perto da fronteira com a Suíça.

Nas ruas de Vauban os carros estão totalmente ausentes - com exceção da rua principal, por onde passa o bonde para o centro de Freiburg, e de umas poucas ruas na zona limítrofe da comunidade. A propriedade de automóveis é permitida, mas só há dois locais para estacionamento - grandes garagens localizadas no limite da comunidade, onde os proprietários compram uma vaga, por US$ 40 mil, juntamente com uma casa.

Como resultado, 70% das famílias de Vauban não têm automóveis, e 57% venderam o carro para se mudarem para cá.

"Quando eu tinha carro, estava sempre tensa. Desta forma sou muito mais feliz", afirma Heidrun Walter, profissional de mídia e mãe de dois filhos, enquanto caminha pelas ruas cercadas de verde, onde o ruído das bicicletas e a conversa das crianças que passeiam abafam o barulho ocasional de um motor distante.

Vauban, que foi concluída em 2006, é um exemplo de uma tendência crescente na Europa, nos Estados Unidos e em outros locais. Trata-se da separação entre a vida suburbana e a utilização de automóveis, como parte integrante de um movimento chamado de "planejamento inteligente".

Os automóveis são um fator de coesão dos subúrbios, onde as famílias de classe média de Chicago a Xangai costumam construir as suas residências. E, isso, segundo os especialistas, consiste em um grande obstáculo para os atuais esforços no sentido de reduzir drasticamente as emissões de gases causadores do efeito estufa que saem pelos canos de descarga, com o objetivo de reduzir o aquecimento global. Os carros de passageiros são responsáveis por 12% das emissões de gases causadores do efeito estufa na Europa - uma proporção que só está aumentando, segundo a Agência Ambiental Europeia -, e por até 50% em algumas áreas dos Estados Unidos.

Embora nas duas últimas décadas tenha havido tentativas de tornar as cidades mais densas e mais propícias para as caminhadas, os planejadores urbanos estão levando agora esse conceito para os subúrbios e concentrando-se especificamente em benefícios ambientais como a redução de emissões. Vauban, que tem 5,500 habitantes e uma área aproximada de 2,6 quilômetros quadrados, pode ser a experiência mais avançada em vida suburbana com baixa utilização de automóveis. Mas os seus preceitos básicos estão sendo adotados em todo o mundo em tentativas de tornar os subúrbios mais compactos e mais acessíveis ao transporte público, com menos espaço para estacionamento. Segundo essa nova abordagem, os estabelecimentos comerciais situam-se ao longo de calçadões, ou em uma rua principal, e não em shopping centers à beira de uma auto-estrada distante.

Leia a matéria completa aqui:
http://noticias.uol.com.br/midiaglobal/nytimes/2009/05/12/ult574u9344.jhtm

segunda-feira, 11 de maio de 2009

Bicicletada de maio: Inauguração da Praça das Bicicletas!

Cine-Pedal em novo dia e horário.

A ideia do cine-pedal é ser itinerante, mas a gente não imaginava que fosse tanto. Antes mesmo da primeira exibição, já migramos do dia 14 no balaio café, para o dia 20 no cabíria café. O horário e o filme, contudo, continuam os mesmos. Espalhem pra quem puderem.

Confira o release e o cartaz do cine-pedal aqui.
Nos vemos lá?

domingo, 10 de maio de 2009

Cenas de Brasília - cidade dos motores

Fotos: Uirá Lourenço

A prioridade absoluta aos motores fica clara quando se nota que existem várias vias, na área central de Brasília, que nem possuem sequer calçada para pedestres. Isso sem falar em interrupções, buracos e obstáculos nas calçadas existentes.


Setor Hospitalar Norte, próximo ao hospital Santa Helena

Via perpendicular à W5 Norte, próximo à Casa do Ceará

Via W5 Norte, altura da 915N

Final da Asa Norte, próximo à 2ª DP

Calçada em frente ao Conjunto Nacional, transformada em estacionamento privativo

quarta-feira, 6 de maio de 2009

Cine-Pedal: dia 20 de maio!




Além das pedaladas nas últimas sextas do mês, a gente que faz a Bicicletada resolveu criar mais um espaço de encontros em meio a Sociedade do Automóvel, conversas, sorrisos e pausas em plena cidade de aço e concreto, articulações e confabulações contra o apocalipse motorizado: o Cine-Pedal. Sempre na segunda semana do mês.

O Cine-Pedal é uma exibição itinerante de filmes sobre bicicleta, questões ambientais, nossas cidades e qualquer outra coisa que a gente achar relevante. Cada mês em um cine-clube da cidade.

Nesse mês, dia 20 de maio, às 22h no Cabíria Café (413 Norte):

O Escocês Voador (2006)
sinopse interneteira - O Escocês Voador é um lançamento britânico baseado na história real e memorável do ciclista escocês Graeme Obree. Um atleta de destaque no seu país, que em 1993 sobrevivia a entregar encomendas. Sofrendo de uma depressão, com os seus fantasmas de infância, Obree encontra por acaso com ciclista Malky. Sabendo que seu maior adversário está a planear alcançar o recorde mundial, com uma bicicleta que custou 500 mil libras, Obree, ajudado pela esposa e seus novos amigos, decide voltar às pistas e bater ele próprio este recorde. Com uma bicicleta construída por ele mesmo, usando utros materiais, desenvolve uma nova técnica e consegue o apoio financeiro para este verdadeiro feito. Mas seus fantasmas e suas constantes crises depressivas, juntando-se à perseguição que sofre da Federação Internacional, tornam as coisas muito mais difíceis e sofridas.

Venham de bike, a pé, de skate, patins... Nos vemos lá?

E lembrem-se de não esquecer:
dia 29/05 - Bicicletada com festa de inauguração da Praça das Bicicletas

Ciclistas continuam pagando o pato pela incompetência do GDF

Segue notícia na íntegra:
Criança de seis anos morre atropelada na Estrutural

Por Naira Trindad
Correio Braziliense


Uma criança de seis anos morreu no final da tarde desta segunda-feira (4/5) depois de ser atropelada por um caminhão na Estrutural. Segundo informações do Corpo de Bombeiros o menino Gabriel dos Santos Pereira foi atropelado por um caminhão caçamba carregado de terra.Gabriel estava sentado no cano de uma bicicleta guiada pelo irmão mais velho, de 10 anos. Ao passar em frente a loja 30, conjunto J1, da AE 4, na Avenida Luís Estêvão, o irmão mais velho teria desequilibrado no apertado espaço que ficou entre o caminhão que passava pela rua e um veículo que estava estacionado irregularmente em cima da calçada.(1) As duas crianças caíram. Gabriel caiu para o lado do caminhão e bateu o lado esquerdo da cabeça no pneu. Ele morreu na hora.A mãe dos dois meninos, Maria Zélia dos Santos Pereira, 34, estava inconformada. Separada do marido, ela mora em outra casa com duas filhas, irmãs de Gabriel. Ele e dois irmãos permaneceram com o pai. "Eu não queria que o pai desse a bicicleta para eles", lamenta a doméstica, desesperada com a perda do filho caçula.(2) O motorista Raimundo José Vieira, 52 anos, foi recolhido ao posto policial da Estrutural e levado à 8ª Delegacia de Polícia (SIA), para depor. Ele presta serviço há dois anos para a empresa Compacta Construtora e Projetos Ltda. No momento do atropelamento, o caminhão estava carregado com terra. De acordo com o delegado de plantão da 8ª DP, Paulo Carvalho, o motorista vai responder por homicídio culposo (sem intenção de matar). -----

Minhas considerações:

(1) Mais uma vez, fica claro a falta de conhecimento e falta de respeito dos motoristas pelos ciclista.
Nao importa se são adultos, atletas, trabalhadores ou crianças.
Todos os veículos devem respeitar a lei e manter a distância de segurança das bikes, que é de 1,5 M.
Poxa vida, o que é um metro e meio???

(2) Fica nítido o que a bike representa para a comunidade de um modo geral, insegurança e preocupação.
Ao invés das pessoas terem motivos para usar cada dia mais a bike, ocorre o inverso, casos como esse, que infelizmente são frequentes, só fazem as pessoas terem mais e mais medo de sair de bike nas ruas, e só fazem com que os pais proíbam seus filhos de pedalar...

E enquanto isso, o Fraga e o GDF continuam gastando nossa grana com obras e mais obras, a ultima noticia é de que liberaram não sei quantos milhões para construirem uma nova sede do Governo Distrital, depois vou procurar mais informações sobre isso...
E para completar, ainda acabei encontrando mais uma notícia de ontem:

Ciclista é atropelada na Asa Norte

Publicação: 04/05/2009 09:37 Atualização: 04/05/2009 11:13

Uma ciclista foi atropelada na manhã desta segunda-feira (4/5), por volta das 8h43. O acidente ocorreu em frente ao supermercado Extra da Asa Norte. Roseane Almeida Guimarães, de 23 anos, foi socorrida pelo Corpo de Bombeiros e levada ao Hospital de Base do Distrito Federal (HBDF). Roseane foi submetida a um exame de Raio X e passará por um tomografia. Segundo a assessoria do hospital, a paciente está consciente e agitada. Ela está em observação. O caso é avaliado pela neuro cirurgia e cirurgia geral.

http://www.correiobraziliense.com.br/html/sessao_13/2009/05/04/noticia_interna,id_sessao=13&id_noticia=104883/noticia_interna.shtml

Só lamento....

terça-feira, 5 de maio de 2009

Duas coisas bacanas e uma palha...

... de se pedalar no trânsito.

É bacana...

...depender única e exclusivamente de você mesmo para ir onde quiser, quando quiser, sem se preocupar com o preço da gasolina, nem com a péssima qualidade do transporte público e nem com o congestionaento.

...saber exatamente a que distancia e a quanto tempo fica cada um dos lugares que você precisa ir.


É palha...

...pegar chuva quando se está indo para alguma reunião importante, ou algum lugar onde você vai ter que ficar de roupa molhada até voltar pra casa, ou até que ela seque naturalmente.

segunda-feira, 4 de maio de 2009

Ciclovia para a cidade que queremos.

A cidade que queremos é a que fazemos todos os dias, em cada gesto. Documentário holandês sobre ciclovias e a relação das cidades com as bicicletas.